Notícias

Veja dicas para andar com a moto na chuva

Em: 06/11/2009
  
Cada vez mais aumenta o número de motocicletas pelas ruas, porém nem todos os motociclistas estão devidamente preparados para conduzir esse veículo de duas rodas. Antes de pensar em ter uma moto é importante saber que o equipamento de proteção é a prioridade, já que não é um mero enfeite. Quem dá o mínimo de valor a sua integridade física sabe a importância de usar o equipamento adequado.

Capacete, botas, luvas, jaqueta ou macacão, independentemente do seu estilo e da finalidade de uso da motocicleta, o importante é pilotar seguro. Lembre-se que em se tratando de equipamento de proteção é preciso escolher aquele que atenda não só o bolso, mas também a proteção mínima.

Devidamente equipado, é hora de acelerar a máquina. Antes de tudo, é preciso ter em mente que a postura é fundamental. Coluna ereta, braços relaxados e pés paralelos ao solo. As mãos precisam ficar bem posicionadas para acionar os manetes, tanto da embreagem quanto do freio dianteiro.

Já os pés precisam estar próximos ao freio e ao pedal do câmbio de marchas. Tudo isso se faz necessário para que as reações sejam rápidas em todas as circunstâncias da pilotagem.  O cuidado deve ser redobrado para pilotar na chuva. Se puder evitar é melhor, uma vez que a visibilidade fica comprometida.

Mas, se não tiver outro jeito, antes de mais nada o ideal é ter uma roupa apropriada, pois o desconforto compromete a pilotagem. Andar na chuva requer alguns cuidados que podem fazer uma enorme diferença em termos de segurança.

Antes de enfrentar a chuva é necessário diminuir a pressão dos pneus, um pouco apenas, pois essa circunstância requer mais aderência ao solo. A pressão pode variar conforme a condição, mas lembre-se de não baixar muito. Feito isso, não vá esquecer de calibrar os pneus quando parar a chuva.

Com a pista molhada estar atento às poças d%u2019água, pois escondem buracos, pedras ou até mesmo causar uma aquaplanagem, condição em que as rodas perdem contato com o solo. Diminua a velocidade e evite passar sobre elas. Ao percorrer trechos urbanos evite passar pelo canto interno das curvas. Nessa região fica toda a sujeira do asfalto, principalmente resíduos dos veículos pesados. 

As faixas pintadas no asfalto costumam ser escorregadias mesmo no seco, portanto, evite andar por elas e mais ainda, evite acelerar ao passar. O mesmo vale para o momento de parar. Frear a motocicleta exige a distribuição entre os freios dianteiro e traseiro. O adequado é que essa proporção seja de 70% na roda dianteira e 30% na roda traseira, porém sempre de modo gradual e contínuo até a moto parar.

Se frear no seco já exige cautela, com o piso molhado a atenção deve ser maior. A pressão que se exerce nos freios com chão seco deve ser a mesma nas condições molhadas, mas pelo fato de o disco de freio estar molhado, pode ocorrer certo retardo na ação de frear.

Normalmente, o motociclista acaba aumentando a pressão nos freios, mas isso pode acarretar em grave queda, pois, embora o disco esteja molhado, conforme as pastilhas se comprimem contra o disco, a superfície seca.

Quando isso ocorre o freio pode travar repentinamente. Portanto,com chuva é preciso frear com muita cautela, mesmo nas emergências. Cuidado também com as manchas no asfalto: elas podem indicar algum problema, como óleo ou alguma substância escorregadia, desníveis de pista ou objetos soltos. Se for preciso, corrija a trajetória, porém sem se esquecer do tráfego a sua volta.Transitar pela cidade pode parecer fácil, mas não é.

O tráfego pesado exige muita cautela do motociclista. O correto seria ocupar uma faixa toda, assim como um carro ocupa, mas essa prática eliminaria a vantagem da moto no trânsito pesado, ou seja, serve apenas para o motociclista que está passeando, sem compromisso com as horas. Assim sendo, a primeira dica é ver e ser visto. Andar com o farol aceso, mesmo durante o dia, além de ser uma exigência do novo código de trânsito, é sempre mais seguro.

Apesar de ser possível conduzir a moto por entre os carros, evite essa prática, principalmente em vias mais rápidas. O ideal é utilizar o corredor em vias lentas ou quando o tráfego está mais devagar.

Na ultrapassagem a regra é a mesma para os carros, ou seja, não se deve passar pela direita. Quando parar em um semáforo procure ocupar apenas uma faixa e, de preferência, o lado direito quando tiver mais de uma pista.

Se for parar logo atrás de um automóvel procure respeitar a distância mínima. Se acontecer de algum carro que vem atrás não conseguir parar, desse modo o motociclista não será prensado no carro da frente.

O mais importante de tudo é a atenção. Tenha sempre cuidado, ele nunca é demais e curta todo visual que somente quem está a bordo de uma motocicleta é capaz de viver.






Fonte: Portal G1