Notícias

Direção defensiva é necessidade

Em: 04/02/2009
Condutor tem a obrigação de conhecer as leis do trânsito e o dever de cumpri-las, estando sujeito às penalidades.

O Código de Trânsito Brasileiro (CTB) é enfático: %u201CTodo condutor tem a obrigação de conhecer as leis do trânsito e o dever social de cumpri-las, estando sujeito a multas e penalidades toda vez que transgredi-las%u201D. Nas %u201Centrelinhas%u201D, a mensagem deixa claro que o motorista não pode jamais usar como defesa própria o desconhecimento das normas.

Os órgãos de regulamentação e fiscalização do trânsito realizam anualmente centenas de campanhas educativas com vistas a uma maior conscientização por parte dos condutores de veículos. Com a incorporação da Lei Seca no país as regras ficaram mais severas, inclusive no processo de formação dos novos condutores. A educação e o comportamento dos motoristas e pilotos é um dos temas mais enfatizados pelos instrutores nas salas de aula das auto-escolas.

Henrique Costa da Silva, instrutor da auto-escola Radar, e estudioso do CTB, afirma que dirigir defensivamente significa evitar acidentes ou diminuir as conseqüências de um acidente inevitável, mesmo estando diante de condições adversas e dos erros e da irresponsabilidade dos outros.

%u201COs acidentes são causados por diversos fatores, que incluem o excesso de velocidade, erro na previsão das ações de outros motoristas, desrespeito à sinalização ou normas de trânsito, negligência na avaliação das condições adversas e a falta de habilidade para conduzir com segurança%u201D, observa.

Para ele, o motorista defensivo sabe que basta interferir de forma positiva nesses fatores para que os acidentes não aconteçam. %u201CNão basta conhecer as técnicas. É preciso mudar o comportamento, incorporando essas mesmas técnicas no dia-a-dia, além de reconhecer e abandonar antigos vícios e maus hábitos%u201D, alerta. Henrique Costa da Silva. Ele lembra que em qualquer acidente ocorre pelo menos uma falha humana relacionada à negligência, à imprudência ou à imperícia.

Maiores vítimas estão na faixa de 18 a 35 anos

Baseado em informações nacionais, o instrutor lembra ainda que as estatísticas registram milhares de acidentes no trânsito a cada ano e que dentre elas, aproximadamente 50 mil são vítimas fatais. Desse número, 30 mil morrem no local do ocorrido e outras ficam inválidas. %u201CO impacto social também é grande em virtude da maioria das vítimas ter entre 18 a 35 anos e pertencer à faixa economicamente mais produtiva e ativa da sociedade%u201D, explica.

Já em se tratando de motocicletas, o número de ocorrências é ainda maior. De acordo com os índices nacionais, elas representam aproximadamente 17% de toda a frota brasileira de veículos, mas estão envolvidas em mais de 30% dos acidentes. %u201CTodos são partes integrantes do trânsito, seja como passageiro, pedestre ou condutor. No entanto, a responsabilidade pela segurança no transito é maior por parte dos condutores%u201D, assegura Henrique Costa da Silva.

Na falta de consciência, é comum o condutor fazer sua defesa apontando como culpados a falta de acostamento, a chuva e buracos na pista, além de outras alegações alheias à sua própria participação. Porém, dados gerais apontam que 90% dos acidentes no país são causados por falhas humanas, 4% são causados por falhas mecânicas e 6% pelas más condições das vias.

O que o motorista precisa conhecer

De acordo com as normas do Código de Transito Brasileiro, os conhecimentos fundamentais para o motorista defensivo estão relacionados às leis e normas de trânsito, as particularidades do veículo, seus equipamentos e acessórios e as das condições adversas, incluindo a maneira correta de enfrenta-las. %u201COutra das características do condutor defensivo é que ele fica satisfeito em evitar o acidente, independente de quem tenha razão ou de quem seja a culpa%u201D, lembra o instrutor Henrique Costa da Silva.
Ele cita algumas situações adversas às quais os motoristas precisam estar atentos, sendo elas: Iluminação, condições do tempo, vias, trânsito. Veículo, cargas, passageiros e condutor. Ele, assim como os demais especialistas da área de trânsito nas rodovias, aconselham que o motorista evite dirigir a noite. Porém, se isso ocorrer, eles devem tomar alguns cuidados de segurança, tais como: Manter as luzes do veículo em perfeito funcionamento, manter os faróis regulados e limpos e observar que a velocidade segura será inferior àquela praticada durante o dia.

Não dirigir à noite

%u201CPara evitar o ofuscamento por luz alta, o condutor deve diminuir a velocidade, solicitar luz baixa, acendendo e apagando a luz alta e não olhar diretamente para os faróis. Se a luz alta persistir, ele deve manter luz baixa e orientar-se pela margem direita da via%u201D, destaca o instrutor, ressaltando que todas as técnicas de direção e pilotagem defensiva foram elaboradas e desenvolvidas para evitar acidentes.

De acordo com o CTB, com a utilização destas técnicas é possível evitar os acidentes que antes eram considerados inevitáveis. Os especialistas alertam ainda que mesmo os motoristas experientes e cuidadosos também são expostos a situações perigosas, o que significa que todos precisam estar treinados e qualificados para sair do perigo. %u201CÉ necessário ter habilidade para reagir rápida e corretamente%u201D.

 

 

 

Fonte: Página 20 Online